[Resenha] A culpa é das estrelas – John Green

Passei a maior parte da minha vida tentando não chorar na frente das pessoas que me amavam, por isso sabia o que o Augustus estava fazendo. Você trinca os dentes. Você olha para cima. Você diz a si mesmo que se eles o virem chorando, aquilo vai magoá-los, e você não vai ser nada mais que Uma Tristeza na vida deles. Você não deve se transformar numa mera tristeza, então não vai chorar, e você diz tudo isso para si mesmo enquanto olha para o teto. Aí engole em seco, mesmo que sua garganta não queira, olha para a pessoa que ama você e sorri.

.

Qual é a garota que não ama uma linda história de amor?

Certo, algumas não gostam, mas esse caso é diferente…

.

Imagem

.

John Green, um gênio, um “geek”. Um norte-americano que escreve livros que te deixam sempre com o gostinho de quero mais. Interessante comentar de John ter escrito A culpa é das estrelas em 12 anos… Uma grande história.

No livro conhecemos a Hazel Grace – vamos chamar somente de Hazel -, ela tem 16 anos e há 3 anos porta um câncer terminal. Com a ajuda de um “milagre” da medicina, esse câncer encolheu um pouco, possibilitando a ela mais alguns anos de vida. Hazel passa seus dias com as próprias filosofias e seus livros, além de assistir o America’s Next Top Model.

A partir desse câncer, sendo filha única, uma de suas maiores preocupações é a de que seus pais não aceitem sua morte, mas Hazel já está tranquila quanto a isso, ela aceita o fato de que mais cedo, ou mais tarde, sua vida irá acabar. É aí que sua mãe, Sra. Lancaster, leva-a a um grupo de apoio para jovens com câncer. Hazel, no entanto, acha isso uma grande bobagem, pois já havia ido algumas vezes lá. Patrick é o homem que comanda a reunião do grupo, e Hazel “debocha” dele entre panos, junto com Isaac, seu “amigo” cego. Em um dia, nessa reunião, eis que aparece Augustus Waters, um adolescente muito lindo, que devido a um câncer perdeu sua perna.

Gus é amigo de Isaac, sendo assim, Hazel o conheceu nesse mesmo dia, na reunião, através de Isaac. Hazel e Gus criam uma amizade e ela compartilha com ele a grande paixão de seus livros. Uma Aflição Imperial: Hazel ama esse livro, assim como ela leria até a lista de compras do supermercado do autor dele, Peter Van Houten – o qual nunca respondeu uma carta dela.

Eu não sou de me emocionar com romances de ficção, já que eu penso “é ficção mesmo, não existe”, mas John Green nos impressiona de uma maneira que nos leva a chorar. E porque não falar de risadas quando tratamos desse livro? Ele fala sobre adolescentes, consequentemente há uma grande quantidade de risadas… Você vai se pegar rindo junto aos personagens.

Há quem não goste do livro, há quem ache ele melodramático, há também as pessoas que o acham totalmente irreal e há aqueles que se apaixonam por ele completamente, a ponto de pensar que todos os personagens vivem mesmo.

O bacana da história é que Hazel é segura de si – aparentemente -, ela tem doses de ironia e de humor pesado, ela preserva mais a alegria dos outros do que a sua mesma. E o que falar do Gus? Um fofo, filósofo e inteligente. Os outros personagens também têm seus lados bons e ruins, assim como os protagonistas, e você imagina que todos são reais.

John Green te prende em um mundo fictício que você reza para que seja real. E como toda a trama, a sua teve um final surpreendente no qual muitas pessoas não gostaram, mas muitas amaram – e eu, como já devem ter notado, amei.

A culpa é das estrelas serve para aqueles que amam histórias românticas. Aqueles que amam a vida que tem, porque além de tudo, John nos traz belas filosofias no livro, as quais podem se levar para toda a vida. Um conselho: deixem Hazel, Gus, Isaac e John Green impressionar vocês com tamanha filosofia e dedicação de uma história tão bem feita, tão bem escrita.

Alguns infinitos são maiores que outros.

Markus Zusak – autor de livros como A menina que roubava livros e Eu sou o mensageiro -, comenta sobre o livro, e na própria capa, na versão brasileira, seu comentário já está impresso – creio eu que é numa forma de aviso: “Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais”.

– Não é justo – falei. – É tudo tão injusto…
– O mundo não é uma fábrica de realização de desejos – ele retrucou.

.Imagem

.

A culpa é das estrelas está sendo adaptado para o cinema. Atores como Ansel Elgort (Augustus Waters), Shailene Woodley (Hazel Grace), entre outros estão convocados para o filme o qual tudo indica que será um grande sucesso de bilheterias. O trailer ainda não nos foi disponível, mas algumas imagens das gravações já foram divulgadas pelo próprio autor, John – e se John está observando cada detalhe do filme, podemos confiar que a obra será bem adaptada, não é mesmo?

.

Título: A culpa é das estrelas
Autor: John Green
Número de páginas: 288
Ano de edição: 2012
Editora: Intrínseca
Tradutor: Renata Pettengill

Anúncios

4 thoughts on “[Resenha] A culpa é das estrelas – John Green

  1. Pingback: Concurso Cultural: Livros que inspiram filmes | da literatura

  2. Pingback: Universo paralelo #2: Top 5 séries com influência literária | da literatura

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s