[Resenha] Divergente – Veronica Roth

 Acredito nos atos simples de bravura, na coragem que leva uma pessoa a se levantar em defesa da outra.

Juro que a primeira vez em que vi este livro pensei “deve ser mais uma dessas sagas… são todas iguais!”. Peguei-o emprestado e confesso que o deixei na estante sem ao menos abri-lo durante um bom tempo – chutamos, 2 semanas. Em um dia tedioso, chuvoso, sem nada para fazer, olhei para minha estante de livros e pensei “porque não tentar?”. Abri o livro, comecei ler e não parei mais.

divergente[7]

Divergente (2012) – Veronica Roth

Divergente  faz parte de uma trilogia – Divergente, Insurgente, e Convergente. Este último ainda não tem tradução em português, mas acho que me arriscarei a lê-lo em inglês por ser tanta a curiosidade. Trata de uma Chicago futurista, onde foi dividida por cinco facções, por decorrência de guerras. Essas cinco facções são compostas por qualidades. A Audácia prioriza a braveza e o destemor, a Erudição a sabedoria, a inteligência e, porque não, a curiosidade. A Amizade preza pela paz e pela bondade, a Franqueza busca a sinceridade e a imparcialidade, já a Abnegação é o altruísmo e a renúncia do bem próprio para ajudar terceiros. Os jovens são nascidos na facções dos seus pais e quando completam 16 anos passam por um teste onde veem para qual facção eles tem maior aptidão. Após esse teste, eles são informados do resultado e fica a critério deles seguir na mesma facção que seus pais ou ir para a facção que mais lhe atrai ou ainda a que eles mais têm aptidão de acordo com o teste.

Com esse enredo todo vemos a jovem Beatrice Prior, a protagonista. Beatrice, assim que faz o teste, descobre que tem inclinação para três das cinco facções, tornando-se, assim, uma Divergente. Apesar da escolha complicada, ela decide ir para a Audácia. O interessante do livro é que a personagem principal começa como uma menina frágil e que nem sempre acerta nas coisas que faz, mas a sua coragem, curiosidade faz com que ela se torne bem ágil e melhor do que quando entrou para a Audácia. Quando escolheu a Audácia sabia que teria que passar por uma iniciação, que é repleta de provas e testes complicados, e se não se qualificasse o suficiente para a facção ela se tornaria uma “sem – facção”. Não irei contar tudo o que acontece, pois iria perder a magia da leitura.

Veronica Roth cria um mundo extremamente diferente do que estamos acostumados a ver, ela descreve as cenas com precisão e detalhes que não são cansativos. Muita ação, amizades, complicações, e até amor você encontra nesse livro. A intercalação de cenas de ação e romance é perfeita, tudo para que o livro não se torne uma repleta repetição de atos. Os personagens são cativantes, e você aprende a odiar o vilão e amar a mocinha, como também sente raiva de algumas coisas que a mocinha faz e não tira a razão do vilão… Como disse antes, os personagens cativam-nos e mostram que eles são humanos, que erram e que acertam, esse é um dos fatores que faz você se apaixonar por Tris (Beatrice), por Tobias (Quatro), entre outros personagens que aparecem ao longo da trama.

Resumindo, terminei o livro em três dias e já consegui o segundo (Insurgente, que logo que der estarei fazendo a resenha dele), e estou devorando ele. O tipo de leitura que você diz “só mais uma página” e quando vê já está acabando o livro. Posso dizer que amei o livro e ele se tornou um dos meus favoritos, e logo que terminei-o eu não conseguia tirar a história da cabeça, e nem os personagens, parece, ainda, que é tudo real! Vale a pena dar uma conferida.

 Alguém se ajoelha ao lado do rosto dele e fecha seus olhos. Deve ser para fazer parecer que ele está dormindo. Que idiotice. Por que as pessoas cismam em fingir que a morte é um tipo de sono? Não é. Não é.

Divergente se tornará filme também. As gravações já foram terminadas, e no YouTube já está disponível o trailer do filme que será lançado mundialmente no dia 21 de Março de 2014.

Imagem

Os intérpretes principais serão Shailene Woodley, como Beatrice “Tris” Prior e Theo James, como Tobias “Quatro” Eaton.

Título: Divergente
Autor: Veronica Roth
Nº de páginas: 502
Ano Edição: 2012
Editora: Rocco
Tradutor: Lucas Peterson

Anúncios

One thought on “[Resenha] Divergente – Veronica Roth

  1. Pingback: Concurso Cultural: Livros que inspiram filmes | da literatura

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s